25 abril 2009

um cravo negro

Há um ano , doía-me a memória do 25 de Abril de 1974. Uma depressão funda, uma raiva que me ditou um texto.

Hoje, já nem a dor, já nem a raiva. Apenas o imenso vazio, um cravo apunhalado, um presente - um futuro - blue.

5 comentários:

al disse...

quebrei o meu 'jejum' electrónco..


só mesmo pelo 25 de Abril, apesar de o terem morto e enterrado.

Silvares disse...

O 25 de Abril não morreu e muito menos foi enterrado. A liberdade de expressão foi uma conquista da revolução e não há machado que lhe corte a raíz. Celebremos (pelo menos) isso!
Beijinho.

Valerie disse...

Concordo com o Silvares.

Para além de que o 25 de Abril não se cumpriu totalmente. Para que isso aconteça é imprescindível acreditar — tudo muda.

"E tenho raiva de quem, todos os dias, fecha "as portas que Abril abriu". Tenho raiva dos oportunismos, das corrupções, da lambe-botice recompensada, do carneirismo-carreirismo militantes, da mediocridade incentivada, da inércia das nêsperas, do afã dos adesivos, das atitudes dúbias e duais, do endeusamento das aparências." — Ana Lima

Por vezes também sinto assim mas... ainda acredito. Recuso-me é a acreditar que tu [logo tu...] tenhas deixado de acreditar.

Mais cravos, mais garra e mais ânimo!

Beijinhos

al disse...

Silvares:-)

a liberdade de expressão, pois.. lembras-te daquele prof que foi -despedido? alvo de um processo?, (ñ me lembro exactamente das consequências) por se ter rido numa aula a propósito do grau do engenheiro? - e é só um exemplo..

O 25 de Abril pode ñ ter morrido nas nossas memórias, mas na prática.. estas corrupções elevadas a 'n', este desrespeito sistemático da lei, estas impunidades dos q têm dinheiro e poder, este quero posso e mando dos governantes, estas imensas disparidades sociais, etc, etc.. não te soam a realidades de outro tempo, anterior ao 25 de Abril?

Acho, sim, que a classe política matou e enterrou o 25 de Abril, o seu espírito. De resto, tu ñ dizes coisa muito diferente no teu blogue..
bjinho,
ana

al disse...

Valerie:

o que significa acreditar no 25 de Abril? Claro q eu acredito (agora, sempre), nos seus valores, nos seus ideais.
E é precisamente por não os ver praticados na nossa sociedade, nas decisões políticas, que acho que o mataram, e bem morto.

A semente está lá, mas há que ressuscitá-la, com urgência, só não sei é como.. uma sequela, talvez: 25 de Abril 2..

:-)
bjinho,
ana