08 fevereiro 2009

a literatura, as paixões: a força transgressora de Julio Cortázar (1)

«Julio Cortázar, escritor e intelectual argentino (1914-1984) é considerado um dos autores mais inovadores e originais do seu tempo», lê-se na informação sobre o autor constante do livro recém-editado em Portugal, 'O Jogo do Mundo' (Rayuela), da cavalo de ferro.
Pois eu (que até leio umas coisas..) não conheço ninguém mais original, mais ousado, mais transgressor dos cânones académicos que enformam (espartilham?) a criação literária. Dir-se-ia, pelo que dele conheço e que se resume a um livro, Rayuela (e perdoar-me-ão a blasfémia ..) uma esquizofrenia intelectual, uma construção narrativa eivada de um lsdismo tão indissociável desses gloriosos anos 60 do século passado..

tenho de esclarecer que adorei conhecer este autor. que deste seu romance que são dois, li tudo, incluindo os 'capítulos dispensáveis'. que me deslumbrou, precisamente, isso a que chamo 'esquizofrenia'. que ñ parei de me surpreender com a ousadia deste homem, com as impensáveis transgressões, capítulo a capítulo. só mesmo alguém muito consciente da sua genialidade. alguém muito louco, e é um elogio. alguém com um sentido de humor único. alguém que ama tanto a literatura, que com ela se entretém em permanentes - quase eróticos - jogos recriativos. alguém a quem não importa um mínimo (a palavra ideal ñ seria esta, mas ñ vou ferir susceptibilidades..) a opinião dos outros (e é, novamente, um elogio). alguém no limiar da vida, e da morte, e de tudo.


aviso aos alunos no geral e às pessoas susceptíveis em particular:
NÃO LER as partes a azul-esverdeado deste post!

os outros ... podem dar uma olhadela aos:
exemplos de transgressões presentes no romance 'O Jogo do Mundo'

1.
«Julio Cortázar, escritor e intelectual argentino, é considerado
tenho de esclarecer que adorei conhecer este autor.
um dos autores mais inovadores e originais do seu tempo»
que deste seu romance que são dois, li tudo.
2.
não parei de me surpreender com a housadia deste homem, com as himpensáveis transgressões
3.
tenho de esklarecer ke adorei konhecer este autor. ke deste seu romance ke são dois, li tudo
4.
as inhpençáveis trãsgreçõins, capitllo a capitlo. só mesmo alguenhe muito conssiente da sua xeniali dá-de

perplexos? qq dúvida, é só deixarem um comentário! :-)
no próximo capítulo, não percam: excertos (sem transgressões:-) de rayuela = jogo da macaca = jogo da amarelinha = o jogo do mundo : aqui

al , 19/12/2008

3 comentários:

rosário disse...

Olá Ana

Deixas-te-me muito curiosa em relação ao "Jogo do Mundo", devolve então o livro à BE para que eu o possa requisitar. Estou a brincar, mas decerto vou ler o livro que tanto te entusiasmou.

Bjos

Rosário
Sexta-feira, 19 Dezembro, 2008

Anónimo disse...

Eu pessoalmente gosto pouco destas "transgressões".

Enfim, não devo falar do que não conheço, pelo que talvez leia um ou dois capítulos do livro.

Bjs


Sexta-feira, 19 Dezembro, 2008

al disse...

Oi Rosário, toda a razão!! :-)))devia entregá-lo hoje, mas assim não posso postar o 2º capítulo!:-) Levo-o 2ª feira, tá?

e., anónimo: aquilo são exemplos de transgressões, ñ quer dizer q o livro se defina por elas, lamento ter induzido em erro.. não, há muito mais para além de um pequeno capítulo com 2 histórias contadas em linhas alternadas, alguns parágrafos em q palavras improváveis começam por 'h' ou por 'k', uma ou outra passagem com palavras 'revestidas'(vestidas de novo?!/%&), com erros ortográficos, o q se queira..

Há transgressões tb na organização dos capítulos, na mistura surpreendente de linguagem, como há, poesia da melhor e outra à beira da náusea, uma enorme sensibilidade, uma dureza q magoa, filosofia estonteante, uma erudição rara.

só sei q me senti transportada para o espírito dos anos 60 e da sua magia (aqui foram os 70). E vieram-me à memória os ciclos de cinema do Bergman, do Godard.. e as tertúlias depois, as análises mirambolantes..


al

Sexta-feira, 19 Dezembro, 2008