23 outubro 2009

Saramago e os sábios do templo ..

Então aqui vão alguns ecos da polémica gerada em torno de José Saramago. Parece ser um fado seu, isto de gerar controvérsia a propósito de tudo e de nada (relembre-se o que aconteceu nos EU aquando da ante-estreia do filme 'Blindness', baseado no seu romance "Ensaio sobre a cegueira".. ler aqui

Pela minha parte, rejubilo com estas fitas. Comprovo como estamos bem representados (desta vez no PE), re-atesto da qualidade dos nossos políticos, sobretudo do seu merecimento pessoal relativamente aos cargos (principescamente remunerados) que ocupam.
Quanto à igreja e aos seus desmandos, fiquei definitiva, inapelavelmente elucidada sobre os seus valores e a bondade das suas ideias e intervenções desde que tive conhecimento das barbaridades que o seu actual mais alto representante proferiu em África aqui há tempos, não muitos..(ver aqui).

Tudo, afinal, cenaças de gente muuuuuito pequena que acabam por permitir um contraponto de lucidez e inteligência. Os temas que o escritor decide abordar, mais as suas respostas às reacções dos 'anti-corpos' são uma lufada de ar fresco neste marasmo de mediocridade cultivada que, pelo menos desde Eça de Queirós, caracteriza a society portuguesa.


os 'ecos', então ..
a propósito da apresentação do romance 'Caim', de José Saramago
(na foto, as capas das várias edições: portuguesa, espanhola, catalã..)

José Saramago afirmou que a «Bíblia é um manual de maus costumes, um catálogo de crueldade e do pior da natureza humana»(...) A Igreja Católica reagiu (...) O presidente da Conferência Episcopal, bispo Manuel Clemente, acusou José Saramago de «ingenuidade confrangedora» (...) No seio político, o deputado (ao Parlamento Europeu) do PSD Mário David (...) convidou José Saramago a renunciar à «cidadania» portuguesa, afirmando que tem «vergonha» de ser compatriota do escritor. (ler mais: fonte)

* * * * * * * * *

[...] Saramago começou por lamentar que "Caim" tenha suscitado "incompreensões" e "ódios velhos", um "alvoroço" não suscitado pelo livro, mas pelas declarações por si proferidas na apresentação do livro em Penafiel.
"Desperto muitos anti-corpos" disse o escritor, que com ironia referiu ser este "o livro de que mais se tem falado apesar de não ter sido lido"(...) (ler mais
aqui)


2 comentários:

Teresa disse...

Oh Ana, há tanto tempo que não vinha aqui espreitar e agora "postas" um texto do qual discordo completamente?! BUÁ.
Temos de ir tomar café!!!

al disse...

vamos!(tomar café..)

.. discordas COMPLETAMENTE? Então e não queres explicar porquê?
bjis