16 setembro 2010

vamos a votos?

Ela é ..
mentecapta.

Ela é ..
uma anedota
um bobo da corte
um escárnio
um esgoto
um escroto
um escarro.
Um palavrão
um vómito
uma pobre de espírito,
nem cagalhão.
É caganita
um insecto
um espirro
um cuspo
um muco.
Um meio cu
ou nem isso,
um nadinha,
nem um nada!

e agora divirtam-se. ou chorem. ou apaguem a luz, desliguem o som. ou nada. ela é a ministra da educação deste estado de espírito chamado portugal.




nota anexa ao vídeo, no Youtube: 
A adição de comentários foi desactivada para este vídeo.

pois podem descarregá-los aqui. e .. estejam à-vontade!
PIM!

3 comentários:

Anónimo disse...

Esclarecimento sobre a maneira adequada de ouvir a alça da isabel:
Colocar o polegar na ponta do nariz e sacudir os dedos num movimento para trás e para a frente. Pode-se aproveitar e rodar a língua, num movimento circular feito pausadamente. Repito: pausadamente. É evidente que esta deve estar estendida para fora dos limites exteriores dos lábios.
É um conselho amigo de quem espera que o tempo não seja totalmente desperdiçado e que evita acumulação de toxinas estupidificantes, que são uma epidemia nacional de carácter letal.
Também se podem enviar aviões de papel, mas infelizmente correm o risco de esbarrarem com o ecrã da caixinha que protege a dita e trazer forte frustração a quem os faz com tanto esmero e sábio domínio técnico

Isabel Branco Pires disse...

Só alguns colegas nossos mereciam ter esta Ministra, os Cybermaus. LOL!

AL disse...

pois eu vou às lágrimas com algumas vertentes deste "discurso", desde logo o apologético "e até às famílias!" inicial, cuspido assim com o ênfase, os foguetes e as palmas de quem acaba de descobrir a pólvora. triste, triste..

e
aquela absurda insistência na "prática desportiva", só compreensível imaginando-se um permanente 'ponto' soprando-lhe a dica indispensável..
e
os tolos esgares, aqueles inenarráveis olhos arregalados, os 'stacatos' os 'prestos' os 'allegrettos', a infantil entoação numa mulher adulta (e ministra!).
.
confrangedor, tudo:

- o tratar-nos a todos (alunos, professores!!!!, até as famílias!)como crianças imbecis...

- o insuportável tom de voz, mais o teatrinho das frase sincopadas num ridículo sobe desce desliza pára,

e ela esparramando-se,
e ela expondo-se tonta,

tudo, tudo, tão tesourinho deprimente-érrimo.