04 setembro 2010

o caso Casa Pia


retirado do Público online:  

Provados crimes praticados pelos sete arguidos

Prisão efectiva para seis dos sete arguidos do processo da Casa Pia, acordou ontem o tribunal que julgou o caso durante quase seis anos. Nenhum dos condenados vai, no entanto, para a cadeia. Pelo menos, para já. Os seus advogados já revelaram que vão recorrer da decisão e, como manda a lei, o recurso tem efeito suspensivo da pena, a não ser perante factos concretos como, por exemplo, perigo de fuga, que levem à aplicação da prisão preventiva.

*
Um a um, os arguidos levantaram-se para ouvir o veredicto: 

Carlos Silvino, 18 anos de prisão. 
Manuel Abrantes, 5 anos e nove meses de cadeia. 
Jorge Ritto, 6 anos e oito meses de prisão. 
Carlos Cruz, 7 anos de prisão. 
Ferreira Diniz, 7 anos de cadeia. 
Hugo Marçal, 6 anos e dois meses de prisão. 


Só Gertrudes Nunes, a dona da casa de Elvas onde terão ocorrido vários casos de abusos sexuais, foi absolvida de todos os crimes de lenocínio de que estava pronunciada (35) na sequência de uma alteração legislativa. 
Os condenados terão também agora de indemnizar os ofendidos por danos morais.

ler mais


1ª imagem (esticada): the son of man, de Magritte

3 comentários:

sílvia disse...

O ditado popular "tão ladrão é o que vai à horta como o que fica à porta" expirou!

TM disse...

Penso ser pouco. Mereciam mais. E mais pessoas mereciam o mesmo. Numa coisa estou de acordo com o advogado do Carlos Silvino: o PS soube proteger os seus muito bem... Agora é esperar e ver se com os recursos não acabam por ser todos libertados. E também esperar a miraculosa lista de nomes que Carlos Cruz se lembrou de ir desenterrar agora (oportuno? Pontos a seu favor para o recurso?). É esperar mais não sei quantos anos, recursos atrás de recursos, ad infinitum.

Beijinhos, Ana! ^^

Cavaleiro Errante disse...

"Só Gertrudes Nunes, a dona da casa de Elvas onde terão ocorrido vários casos de abusos sexuais, foi absolvida de todos os crimes de lenocínio de que estava pronunciada (35) na sequência de uma alteração legislativa."

Afinal, ainda vale a pena ser hospitaleiro e servir bem os confrades.
Será que a tal alteração legislativa vai servir de estímulo a tantas outras prestimosas donas de "Casas de Bem Servir" para que não esmoreçam nos seus préstimos?