15 junho 2009

ainda o amor louco: Florbela Espanca

FLORBELA ESPANCA
(1894-1930)

Amar!

Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: aqui... além...
Mais este e aquele, o outro e toda a gente...
Amar! Amar! E não amar ninguém!

(...)

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder... pra me encontrar...


o soneto inteiro e a voz de Teresa Silva Carvalho em fundo bucólico:

2 comentários:

alebana disse...

Ai........ Ana.... Adoro fado.
Ainda por cima esta letra..
Deixa-me triste/alegre... sei lá...

Obrigada!

Anónimo disse...

Uma das minhas poetisas de estimação!!
Não dá hipótese, quem a conhece passa a admirar!!

João Francisco