08 fevereiro 2009

resistências: no me llames extranjero

«O apocalipse dos trabalhadores (comentário 4 posts abaixo), é uma manifestação do meu espírito igualitário, esta vontade enorme que tenho de que possamos ser felizes sobretudo por não nos espezinharmos uns aos outros. O combate à xenofobia foi o primeiro tópico do livro. Quis escrever sobre o quanto considero nojento que recebamos mal quem para cá vem, quando é da natureza do português ir para fora trabalhar (...)»


Partindo destas declarações do escritor Valter Hugo Mãe
, aqui vos deixamos um vídeo comovente, com a música e a voz poderosa do cantautor e poeta argentino Rafael Amor (no nome, site oficial; biografia em espanhol aqui) :




no me llames extranjero



tradução do poema, aqui
e a conhecidíssima canção clandestino, de Manu Chao
al

4 comentários:

Rosário disse...

Já está disponível para empréstimo domiciliário na >Biblioteca da Escola.

Rosário

Segunda-feira, 02 Fevereiro, 2009

al disse... disse...

o apocalipse?
q bom!!!
achei-o uma 'obra maestra', lê-se de um fôlego. o meu problema foi fazê-lo render!:-)

Segunda-feira, 02 Fevereiro, 2009

Rosário disse... disse...

Parece que tenho estado a repetir-me nos comentário sobre a aquisição do livro, mas se este te suscitou esta fabulosa música então estou muito curiosa. Vou arranjar um tempinho entre as 4 leituras que tenho em mãos.

Rosário

Quarta-feira, 04 Fevereiro, 2009

al disse...

lê, sim, impossível não gostar!
bjis

Quarta-feira, 04 Fevereiro, 2009